Pesquisar este blog

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

O Meu Lugar


Eu posso reclamar de ser vizinha de uma quadra de escola de samba, d'uma igreja batista e de uma casa de festas (e delas estarem, muitas vezes, ativas ao mesmo tempo). Posso reclamar da estufa que vira minha casa quando o sol tá "trincando mulêras". Posso reclamar da bagunça que os gatos da minha avó fazem na minha porta, ou ainda das reformas que ainda não fiz. Mas sou grata por ter um teto próprio e não ter que pagar aluguel. Por poder deixar as roupas pra dobrar depois - esse que nunca chega. Posso deixar a louça por lavar até estar insuportavelmente cheia; e, mais que tudo: saber que, depois de um dia difícil (física, emocional, mental e/ou espiritual) tenho minha caminha macia me esperando (ainda que algumas molas já queiram ser notadas), meus mil travesseiros com os quais monto castelos ergonômicos que vão deixar minha coluna encaixadinha; meu café com leite e meu cantinho de acender velas, e principalmente, a tomada marota do lado da cama pra alimentar a luminária sobre minhas leituras e pra manter o celular carregando.


Reclamar a gente reclama, porque humano é bicho que gosta disso. E eu não escapo à sina. Mas hoje eu só queria ser grata, ou pelo menos perpetuar esse sentimento de gratidão que tenho nesse momento. Esse é o MEU MUNDINHO e, foda-se quem quiser botar defeito (além de mim). É meu canto e ninguém pode tirá-lo de mim - porque, ainda que tentem, ele é mais que um espaço físico: ele é a materialização do que sou.


E eu amo o que sou!


Shalom!
Namastê!

Nossa Playlist