Pesquisar este blog

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Feliz Natal!!

Meus queridos!

Aprendendo a viver a gente segue... Mtas coisas prá relatar, mas vou deixar pro Balanço 2010. Ia fazer essa semana mas, como o ano não acabou (e foi recheado de surpresas), resolvi esperar pelo último dia do ano. Espero q daqui prá frente sejam só surpresas boas, né?

Obgda pelo carinho das pessoas q conheceram o blog agora, cada comentário é um presente de imenso valor!

Um feliz natal a todos!!

domingo, 21 de novembro de 2010

Sintomas do Transtorno Bipolar em Crianças


Todas as opções marcadas são sintomas claros da minha filha de 5 anos:
  • A ansiedade de separação (quando os pais vão trabalhar, por exemplo).
  • Raivas e birras explosivas (com a duração de várias horas). 
  • Irritabilidade bem marcante. 
  • Comportamento de oposição (geralmente não aceita bem regras). 
  • Frequentes mudanças de humor. 
  • Distração. 
  • Hiperatividade. 
  • Impulsividade. 
  • Inquietação. 
  • Pensamento acelerado. 
  • Comportamento agressivo. 
  • Grandiosidade. 
  • Compulsão por carboidratos. 
  • Baixa auto-estima.
  • Dificuldade de levantar pela manhã. 
  • Ansiedade social. 
  • Supersensibilidade ambiental. 
  • Enurese (principalmente em meninos). 
  • Fala rápida ou pressionada. 
  • Comportamento Obsessivo.
  • Excessivamente sonha acordado. 
  • Dificuldades de aprendizagem em algumas áreas do saber.
  • Pobre memória de curto prazo. 
  • Falta de organização. 
  • Hipersexualidade. 
  • Comportamento manipulativo. 
  • Prepotência. 
  • Mentiras. 
  • Pensamentos suicidas.
  • Destruição de bens materiais. 
  • Alucinações e delírios.
(Tirado de http://bipolarbrasil.blogspot.com)

terça-feira, 16 de novembro de 2010

E a vida segue...

Sinto como vivendo com um estranho. É esquisito qndo as pessoas nos surpreendem de forma negativa. Afinal, eu sei q as pessoas mudam conforme o tempo passa, mas esperamos q seja sempre prá melhor. Mas as pessoas nem sempre encaixam em nossas expectativas...

Pelo menos, nisso tudo, descobri no meu pai um grande amigo. Nunca tínhamos tido talvez a oportunidade (ou talvez eu mesma não o tenha permitido), mas hj qndo penso no meu pai, sinto q alguém está do meu lado. De verdade.

Bem, semana passada eu fui na minha psiquiatra e na neuropediatra da caçula. Com minha psiquiatra, falei de tudo q estava me aborrecendo, ela não teceu nenhum comentário - creio q, diferente da maioria das pessoas, ela não ache q o incidente foi culpa minha e da minha "doença" - só ficou preocupada com minha tricotilomania q parece q está aumentando. Aumentou a dose de fluoxetina e disse q se não melhorar, vamos ter q trocar o lítio pelo topiramato. Detalhe: não tem no posto. Mas o governo fornece lá na Praça Onze... E eu acho q vou ter q me render, pq na verdade a fluoxetina parece estar piorando a situação. Vou esperar as férias para testar a nova medicação. Com tantos compromissos até o fim do ano, tenho medo do topiramato dar algum revertério...

Na neuropediatra saí com uma pulguinha atrás da orelha. A dra. parece ter informatizado o consultório, então as consultas estavam demorando mais q o normal. Só q a caçula estava IMPOSSÍVEL - 1 semana sem o Depakote - e a dra lá, inserindo os dados dela no laptop da mesa ao lado.

Ela pegou o EEG, olhou, afirmou q estava tudo normal, perguntou se ela tinha se dado bem com a medicação e continuou fazendo anotações no laptop. Do ângulo em q eu estava consegui ler em capslock BIPOLARIDADE. Qndo a dra. voltou-se de frente prá mim novamente, resolvi perguntar qual era o diagnóstico. Ela disse q não podia dizer, q só um neuropsicólogo poderia definir e cedeu o cartão do dr. Aí perguntei "Então estamos tratando o q?".

-"Hiperatividade psicomotora"
-"E um psicólogo pode ajudar no caso dela?"
-"Só quem pode dizer isso é o neuropsicólogo..."

Não disse mais nada, peguei a receita do Depakote e saí. Fiquei pensando "será q procuro um segundo neuropediatra, o tal neuropsicólogo (q não é coberto pelo plano) ou busco um psiquiatra infantil?"...

Cheguei em casa e expus minha dúvida no Orkut (quem disse q Orkut não serve prá nada?). Outras mães nas mesmas condições (inclusive uma outra mãe bipolar, como eu) se manifestaram, e me ajudaram a tomar a decisão: em caso de bipolaridade, o ideal é um psiquiatra. Eu me trato com psiquiatra! Quem me diagnosticou foi uma psiquiatra! Ora bolas, era o q mais fazia sentido!!

Então é isso. Esperei esse feriadão passar prá marcar psiquiatra pediátrico, otorrino, enfim, fazer um check-up total nas meninas! A mais velha anda com anemia, tbm tenho q ver isso...

E assim vamos, seguindo sempre, pq parar é para os fracos!

Ia'Orana!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Não é fácil...

Esperar q seu companheiro o seja, no sentido mais pleno da palavra e não conseguir um diálogo.

Fazer das tripas coração para superar a falta de remédio no posto, a esporotricose q peguei do gato (e o tratamento na FioCruz), a interrupção do curso de enfermagem q eu amava tanto por causa disso, o tratamento da filha hiperativa...

Prá fechar o mês com chave de ouro, ouço e alto e bom som: "FODA-SE SE VC É DOENTE, FODA-SE SE SUA FILHA É DOENTE, FODA-SE SE SUA MÃE É DOENTE"...

Isso pq eu pensei q tava melhorando. Imagine se eu estivesse no auge d'uma crise...

Mas assim é a vida, já chorei demais, ainda vou chorar mais um pouco, mas vou sobreviver...

Falta q me fazem certas pessoas... Pena estarem longe demais agora prá me fazerem sentir viva novamente... O q me conforta é q sei q estão felizes...

IaOrana!

Oi, gente!!

Sem mtas novidades, vim divulgar o blog da minha prima, sobre poesias e textos reflexivos.
Vale a pena!!

Espero essa semana conseguir pegar o resultado do EEG da minha caçula. Qualquer novidade, volto prá trazê-las...

Ia'Orana!

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Encontrando sua alma gêmea

(Do blog bayana.worldpress.com. Para o post completo, clique no título deste post)

"(...)
Vai viver isso exatamente pelo tempo que DEUS permitir, “amando” um depois do outro…. Até que um dia, você vai entrar na sala da casa de sua tia e vai olhar dentro do olho de um rapaz que vai estar sentando no sofá ao lado da porta, recém chegado de outra cidade. Vai reparar que além de todos os sons terem sumido de repente, os olhos dele também olharam exatamente dentro dos seus. Vai se esquecer das pessoas todas ao redor, aliás, que pessoas? Vai sentir e vai escutar a sua respiração, depois de um tempo, voltando ao normal e quando o gelo da cena congelada começar a derreter, você vai arrastar a sua prima pra cozinha e entupir ela de perguntas sobre a pessoa, sem que ninguém perceba. Vai passar a criar coincidências que jamais existirão para vê-lo de novo, vai conhecer melhor, vai ficar, vai sentir que está amando mas não vai saber rotular isso como amor JAMAIS. Vai ter medo dos seus sentimentos, não vai saber como agir, e mesmo depois de uns bons anos você ainda vai tremer quando ver o nome dele no visor do seu celular. Vai ter aquela dor de barriga de ansiedade quando quiser procurá-lo e mesmo distante vai ter sempre a certeza de que é ele. Vai ter um orgulho inexplicável. Todo mundo que entrar em sua vida, mesmo que de passagem, vai ouvir falar dele. Você vai querer que todos o conheçam e não vai admitir que ninguém tenha má impressão ou fale mal. Vai defendê-lo, vai observar a vida dele mesmo que distante e vai conhecer muitas pessoas depois dele, mas por melhor que seja, depois de um tempo vai perder a graça, porque é ele, só ele. Você vai descobrir que ele briga com o destino, vai ver ele com outras pessoas, vão tentar fugir um do outro pelo tempo que conseguirem, até DEUS enxergar os dois atrás de outras pessoas e retirá-los friamente os jogando um ao outro novamente. Vão fugir por uma eternidade e serão encontrados sempre nas curvas da vida. Porque é amor. Na sua mais real e verdadeira forma. Um amor que dá medo de se viver, porque não quererm que canse. Um sentimento difícil de entender e de se rotular e uma vontade enorme de ser aceito. E então, vai olhar para sua melhor amiga e vai sorrir, dizendo que parou de procurar o novo, porque já encontrou o que nunca mais vai encontrar em outro alguém. E vai dizer baixinho toda noite: É ele!

O tempo é um relógio sem ponteiros, só DEUS sabe a hora certa das coisas acontecerem."

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Dia de Shiva!

Hj eu to péssima!! Meu humor está super-irritadiço, não quero nenhum ser-humano perto de mim! Tem tanta coisa rodando na minha cabeça, tantas culpas, tantas angústias, e uma soletude q parece sem fim... Quero fazer uma fogueira e deixar queimar tudo!!!

Hj fui levar minha caçula prá fazer o eletroencefalograma. Foi toda uma manobra para q ela se sentisse sonolenta na hora do exame e dormisse. Nem acredito, mas consegui. Como prêmio, eu já tinha prometido a ela dar uma passeada na orla, aproveitando q a clínica era em Copacabana. E lá fomos nós, tirar os sapatos e molhar os pezinhos no mar gelado de Copa...

E o mundo parecia tão longe... Só a imensidão do mar, o som das ondas, a espuma nos pés, uma onda atrevida q molhou todo o vestido da Sofia... Rimos, brincamos na areia, até Mr.G ligar me lembrando q eu precisava ir prá casa. Ódio!! Mas dei um tempo prá caminhar no calçadão e deixar o sol q estava saindo secar nossas roupas.

No metrô meu cansaço veio com tudo. E com ele a recordação de Mr.G falando com a mãe com tom de ordem q "filha dele não toma 'esses' remédios, ela tem é q tomar homeopatia, fitoterapia!". Como se eu não tivesse tentado. Ele realmente nem leu o livro sobre TDAH q eu devorei e entreguei a ele para q ele lêsse. Isso pq ainda não mostrei a ele os sites q falam de Transtorno Bipolar na infância q relatam características da nossa filha (o q explica o Depakote)... E nem conversar comigo ele é capaz!! E não é por falta de oportunidade, pois vez ou outra eu introduzo o assunto, comento com ele meu medo das consequências desses transtornos na vida da nossa pequena daqui a alguns anos... Poxa, EU tenho transtorno bipolar!!! Eu magoo e sou magoada pelas pessoas o tempo todo, alguém acha q eu quero isso prá minha filha tbm?? Ontem mesmo gastei mais do q eu pretendia. Hj estou super-irritada. Anteontem eu não queria levantar da cama e pensava em morrer. MEU DEUS!! Não desejo isso a ninguém, mto menos a uma filha minha!!! Tenho mto medo... Medo de não saber lidar com isso, pq eu tbm sou doente... E além disso tudo, além de estar lidando com isso sozinha nos últimos tempos, ainda ouço "por trás da porta" o q ouvi do próprio marido?? Às vzs sinto como se o mundo estivesse caindo sobre minha cabeça, mas com as pqnas melhoras q a Sofia tem apresentado com a medicação, dou com os ombros e sigo em frente. Estou dando meu melhor prá ela. Não vou desistir do seu tratamento precoce, digam o q quiserem, seja quem for!!! Não vou esperar q minha filha apresente transtornos de conduta, entre no mundo das drogas, vire delinquente, ou mesmo tente o suicídio prá começar a tentar algo. A hora é agora!!! Mesmo q eu tenha q lutar sozinha...

Me sinto assim, desgastada, lutando por mim e por minha filha, e mesmo assim me sinto tão sem forças... Tive problema com a constância da minha medicação, faltou remédio no posto (ainda mais essa)... E prá completar, na volta prá casa de hj, minha mãe liga dando claros sinais de estar entrando numa crise. Me aborreci, mas já relevei. E tô de pé!

Enfim, eu precisava desabafar...
Ia'Orana!

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Rotina de uma mãe bipolar

(retirado do orkut, mas a minha cara)

"Eu só quero ficar sozinha e não façam barulho!

Claro filha que sua equipe pode fazer o trabalho aqui em casa,vou fazer
um bolo de chocolate!

Filho,vc acha que virão qtos amigos pro seu churrasco? Ah,sei eles me acham divertida,que bom?

Voces querem encher a casa de gente, fazer a maior sujeira, barulho, eu ficar camelando na cozinha,e ainda querem que eu concorde?

Não,eu não acho que preciso tomar banho, nem pentear o cabelo,nem trocar de roupa, e minha perna não está peluda!

Olha só, pintei e cortei o cabelo,fiz as unhas, tirei sobrancelha!! Achei q curtinho assim é mais prático,e afinal foi só uma falhadinha que eu dei com a pinça, depois cresce de novo!

Qual o problema de gostar de cantar alto e dançar, vcs sabem que eu amo videokê! O fato de estar cantando há mais de 4 horas,só quer dizer que estou feliz!!

Olha quantos imãs de geladeira que comprei,e também quantos batons e esmaltes vermelhos,e cera para depilar!!

Meu Deus!!!Como eu pude gastar todo meu dinheiro comprando tanta porcaria, afinal eu nem gosto tanto assim de batom, detesto esmalte vermelho,e imã de geladeira?!? Sobre a cera,sem palavras...

Porque alguém não me impediu??

O quê!? Eu não ouvia ninguém?Fiquei brava?

Falei que o dinheiro era meu?Não acredito!!

Por favor,você sabe como esses remédios me deixa,não estou com a menor disposição para sexo.

Passei num sex-shop hoje, você não imagina o que te aguarda!!!

Você gosta mesmo de me irritar,vem falando que eu tô bonita,por favor, eu já me olhei no espelho e sei o quanto tô horrorosa!

Sabem a quanto tempo eu não recebo um elogio sequer? Ninguém me enxerga nessa casa.

Meus filhos voces são a razão da minha vida!!!

Gente eu suporto mais ser mãe 24 horas,vcs sugam toda minha energia!!

Só quero ficar trancada no meu quarto no escuro, não quero ver ninguém, nem atender telefone.

Claro que eu aceito,tava mesmo louca pra ir nesse show!"

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

O amor me faz chorar

Sofia já tinha gênio forte desde antes da concepção. Nunca tive problemas biológicos para engravidar, já tinha uma filha, mas foram 12 meses de tentivas frustradas. Nesse tempo Sofia mandou até um irmãozinho antes, q não conseguiu chegar na oitava semana de gestação. Enfim, já estava desistindo qndo ela deve ter pensado "agora q ela não está esperando, vou chegar só pq eu quero". Aí descobri q tava grávida. Chorei.

A gravidez foi tranquila mas eu, cheia de preocupações, fiz mil ultrassons. Na hora de descobrir o sexo o pouco q ela revelava indicava aos médicos q era um menino. Só no sétimo mês q ficamos sabendo q era menina (ainda bem q o enxoval era todo verdinho, cor neutra). Como boa virginiana, deu sinal q iria nascer na data prevista, e assim aconteceu, de parto normal. Só q na hora de sair deu uma "emperrada", botou o cotovelo na frente, e qndo a dra. fez a manobra para retirá-la do ventre quentinho, logo mostrou ao q veio. Berrou tanto, não se acalmou nem no meu colo. Foi pro berçário e lá continuou seu show.

Eu q tinha passado por anemia profunda durante a gravidez, comemorava o fato de não me sentir mais tão cansada para poder cuidar dela. Ainda no hospital Sofia dava sinais do q depois fui saber ser alergia ao leite. Foram vários pediatras, gastropediatras, e mtas noites na internet, insones, até saber q se eu parasse de consumir laticínios ela melhoraria. 3 dias depois de começar a nova dieta, ela parou de chorar o dia inteiro, ficou mais tranquila, parou de vomitar. Aí ela já tinha 5 meses. Alívio. Choro.

Desde essa época ela foi mto agitada. com 5 meses se levantava e ficava em pé com apoio. Eu evitava deixar, pq temia alguma má formação nas perninhas, mas nada a continha. Se algo estava mais distante, ela se arrastava num esforço tremendo, sem desistir até finalmente alcançar o q queria. Com 9 meses já dava passos seguros. Eu já notava q aquele temperamento ia longe, mas evitava comentar, pq não queria influenciá-la.

Nas piores fases de agitação dela, eu achei q ia passar, pq eu sabia q em torno dos 2 anos era difícil mesmo... A essa altura eu já estava exausta, e qualquer tentativa de discipliná-la (mesmo as q deram certo com minha filha mais velha ou outras dicas de sites e programas "Supernanny") dava em nada. Passei a evitar de sair de casa com ela, a não ser q fosse prá levá-la num parquinho perto de casa prá gastar energia. Q nada: ela chegava em casa ainda mais agitada! Com parentes e amigos demonstrava timidez e agressividade tbm. Só dirigia a palavra a estranhos qndo era prá reinvidicar algo q ela queria mto. E nisso chegava a dizer q não gostava da pessoa, a odiava, eu via as pessoas ficarem tristes e eu com vergonha. Chorei mais vezes. Mas lutei prá seguir em frente, mesmo em meio às loucuras da minha cabeça, tentar criar minhas filhas da melhor maneira possível.

Onde errei?? Será q a mimei demais por causa dos episódios de refluxo?? Chorei de frustração e de cansaço, qntas e qntas vzs, e fui realmente perdendo o equilíbrio na sua educação, cedendo em algumas coisas, simplesmente pq estava estafada física, emocional e psicologicamente.

Qndo estava navegando nos sites sobre transtorno bipolar, descobri alguns companheiros de TB q tbm eram TDAH, eles falaram de suas características, e foi como se tivessem posto uma lente de aumento. Fui buscar mais do assunto, e qnto mais eu buscava, mas via minha caçula se encaixando. Busquei outras mães com problemas idênticos q me recomendaram levá-la num neuropediatra, q receitou um estabilizador de humor. Perguntei se o problema dela tinha a ver com o meu, a dra. disse ser ainda mto cedo prá fechar o diagnóstico. Semana q vem fará EEG prá descartar problemas secundários, mas doeu mesmo, nesse processo todo, saber q pais bipolares têm mais chances de ter filhos com TDAH ou transtornos de humor. Errei em concebê-la??... Chorei.

Demorou um pouco prá eu ver as reações do medicamento na minha filha. Prá mim estava a mesma coisa, mas como sei q o Depakote demora mesmo um pouco prá fazer efeito, continuei dando o remédio religiosamente. Ela toma o dela no mesmo horário q tomo os meus. Até q no aniversário do meu marido numa pizzaria, ela, como sempre faz qndo tá entediada, pediu prá ir no banheiro. Toda vez q a levava era o mesmo drama: ela fazia xixi primeiro, aí eu pedia prá ela esperar pq eu ia fazer tbm, mas ela nem queria saber - eu tinha q fazer xixi segurando a porta, mirando o lugar certo, tudo ao mesmo tempo enquanto ela tentava abrir a porta prá sair shopping afora. Já se perdeu assim. Era sempre exaustivo... Pois bem, nesse dia não foi assim. Simplesmente pedi q ela esperasse a minha vez sem abrir a porta, e ela simplesmente esperou!!! Era a primeira vez em 5 anos q saio com ela e consigo ir ao banheiro sem me estressar! Disfarcei enquanto lavava as mãos, e chorei de alegria. Sim! Havia esperança de uma vida melhor!!!

Anteontem eu estava no estúdio do meu pai fazendo uns trabalhos prá uma peça, Sofia pediu prá assistir, mas Mr.G tinha esquecido de dar o remédio a ela. Deu um espetáculo daqueles!!! Como embaixo do estúdio tem a casa da minha mãe, desci com ela quase arrastada e fui dar um banho frio. Ela foi se acalmando e eu, como sempre, fui conversando com ela sobre o q ela fez, e q ela teria de pedir desculpas para o avô, mas já sem esperanças, pq ela dificilmente demonstra empatia pelas pessoas, seja quem for. Qndo subimos, ela mais tranquila, encontramos meu pai e ela pediu desculpas!!! Meu Deus!!! ERA ISSO MESMO??? MINHA FILHA PEDINDO DESCULPAS??? Chorei mais uma vez, pq aquilo significava mto prá mim - mas escondido, pq ninguém me entenderia.

A maternidade é realmente redentora. Recebemos espíritos prá cuidar na Terra, tendo podido ser familiar nosso ou um inimigo de outros tempos. Mas amamo-os incondicionalmente. Às vzs fazemos tudo errado, diferente do q queríamos, mas simplesmente prá otimizar a vida dos filhos no futuro. E as vzs eu choro mais por esses pqnos progressos q ela tem passado depois q começou o tratamento. Pq ela ser linda, inteligente, eu já sabia, todo mundo diz o tempo todo! Mas só eu sei o qnto vale ver minha filha aprendendo a viver em sociedade... Afinal, não estarei aqui prá sempre.

Ia'Orana!

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Mais poemas...

"Quero o tom de tua voz ao meu ouvido,
o rimar desses teus lábios sobre os meus.
E ao folhearem o meu corpo os teus sentidos,
Alcançarmos o pleno êxtase dos céus.

Quero minhas mãos entrelaçar às tuas
caminhar, assim contigo, pelo tempo
em viagens que transcendam sóis e luas,
no mais pleno e inefável envolvimento.

E ao sabor de um bom vinho, ao som de Il Divo,
nos invernos, aquecer nossas quimeras
no prazer de um beijo arrebatador

E no mesclar de nossos corpos mais que vivos,
os outonos transformar em primaveras
e os verões, em palco-luz de nosso amor."


(Roberta Helena Suzigan)

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

De Rita Apoena:

‎"Mesmo quando o outro vai embora, a gente não vai. A gente fica e faz um jardim, um banquinho cheio de almofadas coloridas e pede aos passarinhos não sujarem ali porque aquele é o banquinho do nosso amor, o nosso grande amigo. Para que ele saiba que, em qualquer tempo, em qualquer lugar, daqui a quantos anos, não sei, ele pode simplesmente voltar, sem mais explicações, para olhar o céu de mãos dadas..."

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Diário de bordo desse mundo de loucura

Qnto mais acho q já fui fundo demais, sempre parece q ainda estou mto rasa... Informação demais nunca é suficiente.

Pois bem, levei minha caçula à neuropediatra. No caminho prá lá, ela adormeceu no ônibus, logo pensei "pronto: chegar lá ela vai parecer a mais cândida das criaturas, sonolenta, e eu sou apenas mais uma mãe neurótica...". Quem dera! Foi só botar o pé na sala de espera, onde aguardavam uma outra paciente com um filho de 6 anos, brincando sozinho com seus action figures, a Sofia aos poucos foi "acordando" e revelando-se como é. Começou a levantar da cadeira como se tivesse pó-de-mico nela, trocou de cadeira várias vzs, se meteu na brincadeira do menino, quase tomou da mão dele um de seus bonequinhos, e eu comecei meu arsenal de "pára com isso","sossega um pouco", "senta, minha filha", "não faz isso", enfim... É longo o setlist. A outra paciente então entrou então prá sua consulta, e minha caçula percorreu o consultório em busca de outra coisa prá aplacar sua inquietude, mexeu nas coisas da atendente (q parecia bem acostumada com esse tipo de comportamento infantil, por isso se mostrava bem paciente), até q a atendente teve q sair da sala, eu q buscava meu Neosoro na bolsa fui pingá-lo no nariz - foi tempo suficiente para minha filha encontrar o interruptor e apagar a luz de todo o consultório. A médica gritou lá de dentro, mas demorei a me dar conta de q ela estava brincando. Até isso ocorrer, senti todo o sangue do meu corpo vir circular na minha cabeça. E vontade de correr, fugir dali, como sempre dá qndo minha filha começa a apresentar esse comportamento: é tão cansativo, tão "preocupativo" q eu sempre acho q mudando de ambiente ela se acalma... Enfim, o nome dela foi chamado e fomos conhecer a neuropediatra.

Logo dei de cara com uma janela enorme, escancarada, mostrando o visual do Méier do oitavo andar. Gelei! Mas meu trabalho em conjunto com a doutora fez com q minha caçula se mantivesse longe da janela - claro, eu sentei bem perto da janela prá evitar qualquer ação dela enquanto me distraísse na conversa com a doutora. Apesar de tudo a doutora conversou mais com ela do q comigo mesmo, só me perguntou seus dados, histórico clínico e familiar, comportamento em outros ambientes (como escola, por exemplo), enfim... Claro q o histórico familiar mais atrapalhou q ajudou, é uma confusão de coisas, mas enfim... A dra. passou Depakote Sprinkle prá ela 2 vzs ao dia, prá misturar nos alimentos e um EEG com sono induzido. Perguntei sobre um possível diagnóstico, e ela disse prá aguardar o resultado do EEG e de outros exames q ela passaria prá termos certeza.

Paramos prá tomar um sorvete ao sair do consultório, e eu aproveitei prá adicionar ao sorvete dela a primeira cápsula do Depakote q ganhamos da doutora, com medo de q ela rejeitasse. Graças a Deus isso não aconteceu. Aproveitei então para ler a bula - mesmo já conhecendo o Depakene, não conhecia esse formato do remédio. Será q minha filha é bipolar, como eu?? Não é mto nova prá isso? Será só hiperatividade? Será q tbm tem o tal do TOD?... Nada na bula me respondeu. A internet me deixa ainda mais confusa. Mas tenho observado-a mais, conversado mais com ela, e isso tem me feito ter mais paciência tbm. Li o livro "Mentes Inquietas" da autora Ana Beatriz Barbosa Silva, e tbm me ajudou mto. Mas, mais q isso, Mr.G tbm tá lendo e sendo mais atencioso à nossa caçula. E, além de tudo, ele tbm se encaixou em mta coisa. Será ele um TDAH???...

OMG, como se não bastasse...

Acompanhem nossos próximos capítulos!
Ia'Orana!

sábado, 28 de agosto de 2010

Indicação












Recebo com muito orgulho o reconhecimento deste trabalho com este selo de Blog de Ouro. Obrigada, América, pela força, e agora tenho que indicar mais 5 ou mais Blogs (com link) que acho merecerem tal recomendação, então ai vai:

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Mais uma q sofre pela genética...

Andei fora por mto tempo. Tbm, foi "turbilhão de emoções"... Foi amigo q foi preso (por pensão alimentícia), 1 mês depois foi solto; foi tremedeira por causa do lítio, e toda a longa saga q foi me consultar com algum médico q me receitasse algo q parasse com aquilo; foi o gatinho q peguei na rua e q tinha esporotricose (e eu não sabia), acabei me infectando tbm mas o tratamento não fazia efeito. Até q fui na FioCruz e descobriram uma possível reação alérgica ao fungo da esporotricose - fiz exame de sangue, raspagem, biópsia... E voltar lá dia 2, aniversário da minha caçula.

Por falar nela, é ela q mais tem me preocupado no momento. Ela anda mto agitada. Minto. Ela SEMPRE foi mto agitada. Mas eu sempre dava desculpas a mim mesma pelo seu comportamento e temperamento difícil: "é a personalidade dela", "é fase", "é pq teve refluxo" ou ainda "foi mto mimada". Sempre q lia sobre hiperatividade, identificava-a, mas não queria acreditar. Foi mais ou menos como qndo eu tinha 15 anos e lia sobre "psicose maníaca-depressiva", me identificava, mas tbm não quis acreditar. Foram necessários mais de 10 anos prá receber o diagnóstico e tratamento correto. Não quero esperar tanto nem esperar q minha filha sofra tanto prá tentar botar a minha filha nos eixos... Só quem tem um transtorno, sabe o quão angustiante é. E eu SEI o quanto faz falta um tratamento precoce.

Mas não é fácil. Achei um link de uma matéria feita pelo canal Globo News falando do assunto, mais uma vez reconheci minha filha ali. E fiquei sabendo q pais bipolares têm mais chances de ter filhos hiperativos, ou com TDAH. Doeu. Doeu mto!! Saber q eu passei algum distúrbio prá uma das minhas filhas é devastador... Agora sei o q minha mãe sente. Mas me doeu tanto ver essa ficha cair q comecei a chorar na frente do computador, a gritar "eu não quero!", socar a escrivaninha... Minha vontade era de destruir a sala toda. Minha sogra q me acalmou e ligou pro Mr.G prá voltar prá casa urgentemente. A angústia era mto grande, precisei de um Rivotril. Aos poucos, fui acalmando...

E aqui estou eu, compartilhando com vcs um pouco da minha angústia. Não sei por onde começar, tomeio perdida, mas estou pesquisando bons profissionais q sejam cobertos pelo plano de saúde. O sonho de ter mais um filho se torna cada vez mais distante... Tá na hora de pensar numa laqueadura. Não quero ter essa amargura denovo...

Por aqui fico!
Ia'Orana!

sábado, 31 de julho de 2010

americagens: S.O.S INCA

americagens: S.O.S INCA: "INCA RJ INCA PEDE SOCORRO!!! Quem tiver contatos no RJ, por favor, retransmitir a mensagem. É importante. O INCA - Instit..."

segunda-feira, 5 de abril de 2010

E a depressão chegou...

Logo no dia seguinte do ultimato, a depressão chegou. E me veio uma culpa, um arrependimento de ter sido tão radical (qndo a radicalidade não partiu de mim, eu sei), voltei atrás, pedi desculpas, tudo voltou a ser como era. Será? Será q não foi como acontecem com os cristais q quebram? Vc pode até colá-los, mas ainda poderá ver a rachadura...

Apesar de não ter sido a primeira vez (e talvez nem a última) em q tentei terminar meu relacionamento, não sei dizer se é assim como um cristal. Talvez seja. Pq as mágoas q ficam (no meu coração e no do outro) racham o coração, e por mais q se consiga colar novamente, dificilmente se livrará das cicatrizes. E acho q o ultimato q me foi dado foi resultado disso, de um acúmulo de mágoas q vão ressequindo o relacionamento e qndo a gente vê, tá numa relação estéril, sem paixão, nem amor, sem um carinho q seja. Uma relação mais social do q pessoal, ou q qualquer outra coisa.

E é aí q explodem as mágoas! Elas esperam esse momento estéril prá se manifestarem... O bipolar em hipo/mania quer mandar tudo pro alto - "que resolver q nada!! Não tem mais jeito, vou chutar o balde!!" - mas depois da virada, vira um gato mansinho e culpado, q olha com focinho de pedido de desculpas por ter esbarrado no jarro raro e tê-lo feito se quebrar. O difícil é saber discernir, quem sou eu de verdade, quais são meus verdadeiros sentimentos. A vontade de mandar tudo pro alto ou a culpa por ferir outro alguém? Ou será tudo junto, mas a bipolaridade teima em separar como separar 2 personalidades diferentes? Não sei. Eu bem queria saber. E acho q mta gente queria tbm...

- Q inveja das pessoas q sabem o q vão sentir daqui a 20 minutos... - disse eu, mergulhada em melancolia e lágrimas, sentada no terraço, enxergando a fase depressiva chegar.

- O q eu posso fazer por vc? - se compadeceu Mr.G.

Parei prá pensar.

- Nada... Infelizmente nada...

Cada um q tente se salvar dentro da imensidão de ser si próprio.
Ia'Orana!

Água Viva - Clarice Lispector

"E eis que sinto que em breve nos separaremos. Minha verdade espantada é que eu sempre estive só de ti e não sabia. Agora eu sei: sou só. eu e minha liberdade que não sei usar. Grande responsabilidade da solidão.
Quem não é perdido não conhece a liberdade e não a ama.
Quanto a mim, assumo a minha solidão, que às vezes se extasia como diante de fogos de artifícios.
Sou só e tenho que viver uma certa glória íntima que na solidão pode se tornar dor. e a dor, silêncio.
Guardo o seu nome em segredo.
Preciso de segredos para viver."

quinta-feira, 1 de abril de 2010

E a bipolaridade acaba com outro relacionamento...

Me pego pensando qntos relacionamentos foram terminados pela bipolaridade sem q os envolvidos saibam??? E os q sabem, então??... Num empasse do tipo "mude ou me deixe em paz", optei claramente pela segunda opção. Dessa vez não foi iniciativa minha como todos os outros términos q tivemos. Dessa vez foi diferente. Será diferente no final tbm?

Ah, sei lá mais o q escrever. Lamentar minha doença-vilã? Lamentar minha vida de "vítima"? A vida é assim, e a MINHA vida é assim, só me resta aprender q vou ainda perder mta gente por causa do transtorno bipolar. Por mais remédio q se tome, por mais terapia q se faça. Não parece frustrante???

E é. É isso q só consigo sentir agora. Frustração. Eu podia ser feliz e ter uma vida como todo mundo, expressar minhas emoções como todo mundo, mas não sou assim. Mas ainda posso ser feliz, né? É o q me resta acreditar...

Fiquem na paz e Feliz Páscoa!!!
Ia'Orana!

terça-feira, 16 de março de 2010

Mais um dia...

Pois é, no outro post eu disse q tinha psiquiatra marcado né... Adivinha: cheguei no posto e a mulher tava de férias!! Solução: remarcar para maio! Só não desolei totalmente pq consegui o Haldol na farmácia, q estava em falta...

Só o Haldol poderia acalmar a fera q estava me dominando dias antes. Eu tava uma máquina de instabilidade. Parecia um bicho enjaulado, andando prum lado e pro outro, começando coisas e não terminando, idéias diversas povoando minha cabeça sem se concluírem e me dominando totalmente. Voltei a arrancar cabelo. Só o lítio e o Rivotril não estavam dando jeito.

Até q a fluoxetina - ainda em falta no posto - não tá fazendo tanta falta. Sinto algumas angústias às vzs, mas deprê mesmo, tem tempo q não sinto. Há mto tempo eu não sabia o q era isso, ainda mais sem antidepressivo. Estou bem, enfim. Pelo menos nesse aspecto.

Enquanto isso já marquei uma psiquiatra pelo plano de saúde como plano estratégico. Não quero depender de um serviço e esse serviço me deixar na mão. Além do q, queria ouvir uma segunda opinião sobre minha medicação. Mas a princípio vou continuar com a psiq do posto tbm. Pelo menos até me garantir financeiramente prá pagar meus medicamentos...

E, hey!, comecei meu curso de enfermagem!! Estou bem empolgada e acho q isso tem me ajudado mto. Mergulhei no meu armário buscando tudo qnto é roupa branca, já q vou precisar agora... Por enquanto, só teve a primeira aula semana passada, q foi basicamente uma explicação de como vai se dar desde o curso como o estágio. Mto esclarecedor. E tbm prá descobrir a penca de coisas q vou ter q comprar até começar o estágio: é pijama de CTI e centro cirúrgico, maleta com termometro, tesoura, óculos, aparelho prá aferir pressão (é, ainda não decorei o nome, mas tá cedo ainda), estetoscópio, livros, etc... Mas vai valer a pena, já está valendo. Olho prá minha vida e nem consigo acreditar, pq, pouco tempo atrás, me sentia incapaz de fazer qualquer coisa. E agora estou eu, de volta aos estudos (o q eu adoro). Amanhã tem aula novamente. Mal consigo conter a ansiedade...

Em compensação, minha relação tá complicada. A distância do Mr.G do meu transtorno e tratamento tem atrapalhado um pouco. Ele não entende o qnto eu preciso dos medicamentos as vzs... Mas acho q agora ele tá tentando entender. Espero q não seja fogo de palha, senão vai ser difícil continuar uma relação assim...

E assim a vida segue...
Ia'Orana!

segunda-feira, 8 de março de 2010

O q eu tbm não entendo...

Dia 20 eu perdi um tio mto próximo. Juntando com a deprê do último post, eu tava no fundo do poço. Ou melhor, quase. Dia 23 adormeci à tarde e tive um sonho estranho: um amigo meu de infância se despedia pq ia viajar de carro, e eu dizia "liga qndo chegar lá". O telefone tocou e eu acordei. Desde esse dia fiquei agoniada.

O q vc pensa, tendo morrido seu tio, com sua tia internada, vc sonhar q não sabe se um amigo seu chegou ao seu destino?

Uma agonia tomou conta de mim pelo resto da semana. E alguns sinais - como músicas e notícias na TV - me assustavam mais. Dia 25 tive uma crise de choro, tamanha a angústia. Até q dia 27, minha tia q estava internada faleceu.

Eu tava arrasada. Fiquei sem chão. Tomei um Rivotril antes de ir ao velório, mesmo assim eu chorava mais q meus próprios primos... Terminei fevereiro praguejando o mês q tinha passado.

Dia 3, sonhei com o encontro de amigos de infância, e aquele meu amigo q citei no começo do post estava presente. Conversamos agradavelmente, perguntei da esposa, ele disse q a gestação estava bem, mas ela se sentia perseguida por 3 pessoas (depois fiquei sabendo q provavelmente EU seria uma delas - mas acabamos nos resolvendo). Daí minha mãe me ligou e eu tive q ir embora. Esse meu amigo se ofereceu prá me levar em casa. Parte do percurso foi feito de carro, mas daí continuamos a pé, conversando agradavelmente sobre a vida, até q chegamos numa casa (q não era minha), e ele começou a se despedir pesarosamente. Ele sorriu, tocou seu nariz no meu e me deu um abraço como quem ñ vai se reencontrar tão cedo. Acordei às 5:30 da manhã com a sensação de q queria dizer mais algumas coisas antes q ele se fosse.

O sonho era mto real. Tanto q, depois de acordar e cumprir minhas obrigações matinais com filhas e escola, resolvi entrar na internet e visitar o perfil desse amigo. Sua frase dizia tudo: ele havia se mudado prá Curitiba na semana anterior.

Alívio... Não aguentaria perder mais ninguém nesses dias. Principalmente um amigo tão especial qnto ele.

Engraçado q desde os tempos de escola havia essas "coincidências" com esse amigo: coisas q eu prefiro não revelar prá não ser mal-interpretada. Mas lembro q, depois de 3 anos sem contato nenhum, ano passado, eu tinha sonhado com ele, 3 dias antes de nos reencontrarmos no msn. Até cheguei a contar o sonho prá ele e ele brincou perguntando se eu era cigana, rsrsrsss...

Hj estou feliz de saber q ele está fazendo a vida dele num lugar diferente, está feliz, está prestes a aumentar a família, e eu estou feliz, casada, com minhas 2 filhas e prestes a iniciar meu curso de enfermagem (AMÉM!!). Mas, pelo menos da minha parte, há um grande afeto, um sentimento q transcende qualquer entendimento meu. Tem coisas q não se explicam, acho q por isso a vida ainda não me explicou. Acreditam em vidas passadas?? Eu sim. E por enquanto, pelo menos, prá mim é a única coisa q explica essa sucessão de acontecimentos "esquisitos".

Bem, voltando à bipolaridade e seus detalhes, amanhã tem psiquiatra. Tomara q eu consiga a fluoxetina minha de cada dia, pq enfrentar esse turbilhão de coisas, tá meio heavy...

Ia'Orana!

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

"Meu mundo caiu..."

Fui no posto pegar meus remedinhos, toda feliz pq estou me dando bem com eles. Mais uma vez, fluoxetina e haldol estão em falta. Mês passado tbm estavam, mas eu tinha uma receita guardada na bolsa e meu pai do lado prá me emprestar o dinheiro, comprei a fluoxetina e resolvi usar o haldol em gotas q eu já tinha em casa.

Só q esse mês não tem receita (a médica está de férias), não tem dinheiro, só tem o haldol (com o lítio e o rivotril). Por um lado é bom, pq garante q eu não arranque meus cabelos (quem acompanha sabe q é literalmente), por outro lado, ficar sem a fluoxetina me deixa meio sem rumo. Tento pensar "espere o q vai acontecer, depois se desespere", mas acho q os medicamentos tbm se tornam muletas psicológicas, acho q vou ter sérios problemas sem a fluoxetina (q já estava pouca, recentemente a dose foi aumentada).

Mas não dá, né? Nossa vida depende de medicamentos q, derrepente assim, simplesmente "faltam", sem a mínima explicação ou previsão de quando volta. É uma falta de respeito essa saúde pública... A privada tbm é. Mas prá bipolaridade eu uso dos serviços públicos justamente pq não tenho condições de comprar a penca de remédios q eu tomo...

Eu acho q o q eu preciso mesmo é trabalhar. Ter meu dinheiro, pôr a cabeça no lugar... Trabalhar é mto bom, ter o dinheirinho certo no fim do mês tbm... Sinto mta falta. O problema é com quem deixar as crianças agora, já q minha sogra q ficava com elas agora tem q cuidar da saúde dela urgentemente... Aff, parece q qndo vem um problema, vem uma avalanche, tudo ao mesmo tempo!!!...

Mas, como disse um dia Renato Russo, "qndo tudo está perdido, sempre existe um caminho...".
Tenho fé.

Ia'Orana!

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

February Stars

É... Acho q andei tão lesada q esqueci q o blog existe... Na verdade não há mta novidade na eutimia, acho q isso me desestimulou a postar.

Aí, começou a vir os baratos: vou mudar a cor de cabelo! De cabelo preto-ébano prá loira platinada! E ainda resolvi pegar o sol q o transborda no Rio de Janeiro prá contrastar. To tão diferente q as pessoas não me reconhecem na rua, hahahahahaha... Fugir dos credores agora tá mais fácil. Mas... Fica a dúvida: isso sou eu ou o transtorno?

Aí bateu a mania de um vinhozinho todo final de tarde. Ah, o q é q tem, né? Só uma dosezinha... Dizem q é bom pro coração. Até aí tudo bem, até o dia q me recusei de sair de casa com minha família pq estava impossibilitada: havia passado a tarde no msn bebendo vinho. 5 ou 6 taças generosas, acabei com a garrafa. Passei mal. Perdi o boliche com os amigos. Sou eu ou o transtorno?

As vzs me bate isso, uma vontade louca de beber, seja vinho, cerveja, Ice... E eu não devia estar tomando nada disso. Mas todo mundo pensa "ah, um pouquinho não vai fazer mal...", mas eu sempre passo do pouquinho. Só ontem tomei 2 Ices e uma cerveja. Assim, num meio de semana. Depois fui visitar a bb de um grande amigo nosso - eu tinha pedido pró Mr.G prá marcarmos outro dia, mas todos insistiram, e lá fui eu. Cheguei à conclusão de q minha intuição não falha: toda vez q não to bem prá sair, apesar do Mr.G dizer q é frescura, se eu forço a barra, fico meio abobalhada, as pessoas falam comigo e eu tenho dificuldade de responder, não sei dizer. Na verdade parece q todo mundo tá falando comigo ao mesmo tempo, e eu não consigo focar ninguém. Com ou sem álcool na mente. Mas é claro q o álcool piora tudo.

Chegamos em casa e fomos pro terraço, admirar as estrelas. Crianças dormindo, deu prá eu explicar a minha estranha sensação qndo saio contra vontade ao Mr.G. Mais uma vez, acho q ele não entendeu. "Acho q tenho q virar crente", eu disse. Ele não entendeu, denovo. Queria dizer q tinha q mudar de vida, parar de fumar e beber, ter uma vida mais regrada.

"Então vira adventista. Pelo menos eles são vegetarianos...", ele respondeu.

Parei prá pensar. "É, mas e o meu sushi?"

"Vegetariano não come sushi??"

"Claro q não, é peixe! Eu não sou vegetariana apesar de não comer carnes..."

O silêncio disse "então ferre-se sozinha".

Realmente, ele não entendeu nada.


Ia'Orana!

Nossa Playlist