Pesquisar este blog

domingo, 30 de janeiro de 2011

Mais um capítulo...

Pois é, mta coisa mudou, mta coisa ainda é a mesma... Mas definitivamente, o conjunto da obra virou de cabeça prá baixo!

Sim, finalmente me separei. E agora sem retorno. Estava vendo a hora de nos matarmos qualquer hora dessas... Ele nunca me entendeu, eu nunca o entendi, melhor assim. O chato é q por enquanto todos os meus planos de estudo foram por água abaixo, já q tenho q bancar as coisas aqui. To correndo atrás de formas de ganhar dinheiro sem ter q deixar as crianças com alguém, até pq a caçula exige cuidados. Enfim...

Semana passada fomos a uma nova doutora - uma psiquiatra infantil - com ela. Aliás, com a família toda! Finalmente o pai resolveu se envolver com o problema da filha... Mas ambos ficamos P da vida pq a dra. mal olhou prá cara da minha filha. Diante de tudo q contei, não pediu prá ver exames nem nada, só substituiu o Depakote por Trileptal, e pelo q li na bula, numa dose ínfima! Apesar de discordar, estou dando a medicação pq quero evitar uma nova crise igual ao q ela teve há 2 semanas - uma crise braba, provavelmente desencadeada pela separação minha e do pai. Mas já estamos buscando outro profissional.

Pois é, 2 semanas atrás, à noite, a caçula teve 2 crises, 2 dias seguidos. E o pior de tudo foi enxergar meu reflexo nos olhos dela. Primeiro, a costumaz agressividade, ataque de ira, impulso de quebrar tudo e agredir a todos física e verbalmente (parece difícil pensar nisso prá uma garotinha de 5 anos, mas sim, eu assisti tudo de camarote). Logo depois ela caiu num pranto "sem-mais-nem-menos", eu perguntava o q ela tinha, ela não sabia dizer, só sabia dizer q não conseguia parar. No primeiro dia a abracei até q o choro passasse. No segundo fiquei com medo e busquei uma emergência psiquiátrica infantil. Daí, sabe o q descobri??? Q não existem emergências psiquiátricas infantis no Rio de Janeiro!!!! Um absurdo!! Tentei então levá-la na emergência q eu costumo ir qndo estou com problemas, mas apesar de ter sido bem recebida entre as enfermeiras, o médico de plantão simplesmente deu as costas... Tudo bem, ele não é especialista em crianças, mas me deu ÓDIO!!! Sorte daquele médico é q eu ando bem estabilizada, graças a Deus... Até qndo não sei pq tá faltando lítio no meu posto mas, enfim... Isso é assunto prá outro tópico.

Minha preocupação é não saber lidar com o TB infantil. O meu só começou na adolescência, não tenho mta experiência nesse quesito... É estranho ver minha filha agindo como se estivesse possuída, ou sei lá... Mas olhando de fora, não deve ser mto diferente do q eu tenho. A questão é: se demorou tanto prá eu aprender a lidar com o MEU transtorno bipolar, qnto tempo vou levar prá lidar com o transtorno bipolar da minha filha???

Oh, dúvida cruel...

E assim vamos, "caminhando e cantando e seguindo a canção"...
Até a próxima!
Ia'Orana!

5 comentários:

Di disse...

Oi Dannie
As minhas crises começaram eu tambem era mais velha que sua filha, tinha12anos. E claro que voces se separarem ia acabar gerando uma crise na pequena, afinal mesmo que ela soubesse que as coisas ai não iam bem, criança não tem maturidade pra entender os sentimentos, é duro.
Acho que o que voce faz, de tentar entende-la, te-la confortado no momento de dor, é essencial. Vai ser um longo aprendizado entre voces duas - e vai ser duro. mas desse aprendizado podera vir respeito, cumplicidade - ninguem vai entende-la tão cedo da forma que voce entende. Isso que voce disse, que ela deve sentir da mesma forma que voce, é isso mesmo! So que dentro das limitações e formas de lidar de uma criança.

Acho que um bom jeito pra voces se ajudarem é fazer alguma atividade calmante, comocantar ou contar historinhas - ela conta e voce escreve pra ela por exemplo. Ajuda a lidar com as mudanças e com o mundo no geral, pois assim ela pode expor como o ve.

Era o que eu fazia com minha terapeuta aos 5 anos... espero que isso te de uma luz de como lidar com o problema. boa sorte nessa nova vida que voce vai construir com muita garra, muita força e se Deus quiser, muito muito amor!

Poeta Renato Douglas disse...

Olá adorei seus textos. Faça uma visita e seja mais um membro do meu blog. http://poetarenatodouglas.blogspot.com/ . Abraços

Willian disse...

Doloroso ler isso, nos ja adolescentes tinhamos ate como enfrentar, mas 5aninhos, era pra ta brincando e rindo a toa. quase me corre uma lagrima aqui.

sorte pra vc e pra ela, que o anjo que a guarda seja forte e persistente.

ermachg disse...

oiii....tbem sou bipo..mas tudo q vc passa e ainda vai passar faz parte nao do trasntorno,mas sim da vida,,,escrevi algo sobre essa transiçao q passamos entre aa familia ,q esta se desfragmentando,,ta dificil,,siiiimm ,,mas nao impossivel,,so sera impossivel se nao tentarmos,,,bjo...ermachg...siga meu blog tbem,,se quiser agradeço..

ermachg disse...

oiii...so sera impossivel se deixarmos de fazer,,,nao se esqueça que filhos dependem sempre de nos pais,,ate nosso ultimo suspiro...bju..siga,me q te sigo,,agradeço..

Nossa Playlist