Pesquisar este blog

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Desilusão

Segundo o Wikcionário:
de.si.lu.são feminino
  1. perda da ilusão;
  1. a(c)to ou efeito de desiludir(-se).

Presume-se portanto que, para haver uma desilusão, uma ilusão foi construída anteriormente. Às vezes confesso que acredito demais na humanidade e em todo e qualquer discurso politicamente correto simplesmente porque sou assim. Nasci no mundo das Pollyanas - se houver um. Que seja: eu não sou desse mundo.

A questão é que eu não consigo olhar prás pessoas desconfiando. E as pessoas falam o que elas desejam. Mas o que mais me dói é me afeiçoar ao discurso de alguém que se mostra contraditório nas atitudes. Tem gente que diz que é normal, que o ser humano é invariavelmente hipócrita... Mas eu ainda acredito. E me desiludo quando as pessoas, na prática, não seguem o roteiro tão exaustivamente construído. O problema está em mim ou nos outros?

Admito sim minha parcela de culpa. Como eu disse, nasci no mundo das Pollyanas. Mas o que mais me pergunto quando essa desilusão acontece é se não há uma ou outra "Pollyana" escondida por aí querendo fazer amizade. Não que elas sejam mais coerentes, não é isso - é só pra conhecer gente que ainda acredita. As pessoas nesse mundo já andam desconfiadas umas das outras, justamente por causa de suas desilusões. As "Pollyanas" não. As "Pollyanas" nunca se desiludem porque tornam a se iludir automaticamente com justificativas para cada falha humana. As "Polyannas" são aquelas que pelas costas são chamadas de "otárias", mas elas nem ligam: estão distraídas demais se autoiludindo.

"Pollyana" pode ser "otária". Pode ser aquela que vira chacota entre os conhecidos. Pelo menos ela é mais feliz.

E eu fui feliz.

Mas por mim isso acaba por aqui. Tenho outras ilusões a me construir.

Até.

Shalom!



Nenhum comentário:

Nossa Playlist