Pesquisar este blog

segunda-feira, 31 de março de 2014

"Tiro ao Álvaro"

- Estive muito doente - ele disse. E seguiu contando seus pormenores.
Ela ouviu sem interromper. Mas ao final disse: "Talvez era saudade de mim", e sorriu.
Ele parou, olhou em seu olhos e deixou sair um decidido "Pode ser".
O corpo dela balançava como que dançasse uma música imaginária. Mas parou por alguns segundos, enquanto os olhares se atraíam como ímãs num vão de silêncio. Silêncio esse que só era capaz de superar seus duetos - e como ela sentia falta deles...

Shalom!


De tanto leva "frechada" do teu olhar
Meu peito até parece sabe o quê?
"Táubua" de tiro ao Álvaro
Não tem mais onde furar
Teu olhar mata mais do que bala de carabina
Que veneno estriquinina
Que peixeira de baiano
Teu olhar mata mais que atropelamento de "automóver"
Mata mais que bala de "revórver"

Um comentário:

Syl disse...

Lindo!
Como tudo que sai de ti!

Nossa Playlist