Pesquisar este blog

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Alguém escreveu por mim...

"Depois de uma noite pensando nos 'porquês' cheguei a conclusão: realmente, eu sou um 'porre'. Nem eu mesma me aguento. Não posso viver mais comigo...

Este pensamento "não posso viver mais comigo" ficou martelando na minha mente. Maluquei de vez? Ou será meu estado febril que está atuando? Sei lá...mas como é que eu sinto tão fortemente que não posso viver mais comigo?

Foi então que tomei consciêcia que sou duas.

Claro! Se eu não posso viver mais comigo, se sinto isso tão fortemente, é porque sou duas. Existe em mim o "eu" e o "eu interior".

Qual desses "eu" seria o real? Qual dos dois não estava mais aguentando a convivência?

Depois de dácadas sem me fitar no espelho, fiz o que Mikael me recomendou. Postei-me perante um espelho e fiquei olhando minha imagem durante longo tempo, em detalhes. Fiquei espantada...ou será assustada o termo certo? Não importa, mas estava certamente visualizando um dos "porquês" que tudo originou.

Ainda seguindo a orientação de Mikael, fitei meus olhos. E foi então que tudo foi ficando mais claro em minha mente. É certo que os olhos são a porta de entrada para a Alma. E fui entrando, primeiro timidamente, mas depois sofregamente...
Eu havia me encontrado!

Foi então que tomei consciência que meu "eu" exterior é ilusório. Foi-me emprestado pela Mãe Terra, e está sujeito plenamente ao ciclo terreno. Um semente germinada, uma flor a ser cultivada ... e ao final o retorno a sua condição primeira... pó!

O outro "eu", o "eu interior", a minha essência, este é o único que permanece. E era este justamente que gritava tal qual uma criança assustada, por não se sentir amada,
por ter sido rejeitada.

A partir deste momento, uma paz incrível foi se apossando de mim. A pressão intensa do sofrimento desta noite forçou minha consciência a por fim na infelicidade que minha mente havia criado para me controlar. Já não é mais importante eu saber os porquês, pois tenho absoluta certeza que são eles todos terrenos, isto é, ilusórios e passageiros.

Existe somente uma realidade, e diz respeito ao único sentimento eterno, permanente :
AMOR.
E este é o que permeia por completo meu "eu interior", tornando-o perfeito na forma e na essência.

(Walkyria Garcia - 13/02/2008)


Mas, e qndo as "duas" vivem por dentro?...
Bem, eu ainda estou buscando... E quem sabe assim, me livrarei daquela q incomodar mais...
Boa noite!
Ia'Orana!

Um comentário:

SouMusic disse...

Esses "eus" sempre incomodam e conflituam... mas um dia, espero eu, os harmonizaremos.
rsrss

Danie, q bom q tenha gostado do blog, ñ so meu mas ta sendo muito bom está participando.

Valeu e ñ deixe de voltar.

Bjs!!!

Nossa Playlist