Pesquisar este blog

domingo, 2 de agosto de 2015

O Chamado

"Não posso! Preciso ir!" 

Estava tudo deserto e escuro. Por trás de mim, a uns 5 metros do chão, havia uma luz muito forte e de cada lado dessa fonte de luz, um casal de roupas brancas que estendiam as mãos para que a energia emanada me erguesse até eles. Eles me apressavam: "venha! Você precisa vir conosco! Já é hora!".

Quando comecei a sentir meus pés fora do chão, você se jogou e agarrou minha cintura, como se tentasse subir comigo: "Por favor! Só um beijo de boa noite... Só isso!". Lentamente fechou os olhos e tentou alcançar a minha boca com seus lábios contritos como se beijasse o ar. Eu, mais acima, sentindo afeição grande demais pra descrever, estiquei meu pescoço pra baixo, e toquei sua testa com a minha. Minhas mãos afagavam seus cabelos negros e senti o toque da tua pele, os cílios dos teus olhos fechados, passei minha maçã do rosto na sua bochecha e nariz. Ficamos assim por instantes - eu não sabia se era certo - mas sentia uma energia muito forte. Não, não era paixão: paixão desestabiliza, faz o coração bater na garganta. Não era isso que eu sentia... Sentia paz, muita paz... Paz assim que só senti quando vi D'us em 2011.

Os irmãos de branco - mesma cor do meu longo vestido - ainda içavam-nos. Me senti meio leve, meio zonza, e finalmente toquei minha boca na sua, com a singeleza de uma criança.

Neste momento pude sentir vários raios em torno de nós, de cores branca, rosa e azul-bebê, girando à nossa volta, enquanto flutuávamos. Desses mesmos lábios que se tocavam com delicadeza, uma grande luz crescia e se expandia até alcançar os raios coloridos; e daí então, fechei os olhos pra proteger as vistas da enorme luz que saturava. Ainda no ar, nos desconstruímos e nos tornávamos UM, enquanto em meu peito, senti, como nunca antes, a tão falada Chama Trina.

Acordei no meu quarto completamente escuro. Era madrugada e ainda sentia muito sono. Virei para o outro lado da cama e abracei o travesseiro - era como se você ainda estivesse ali. Mas eu não mais sentia o toque da sua pele.

Seja o que for, onde você for, quero ser seu anjo.
Mesmo que eu tenha que esperar pela eternidade para isso.

Mas, por enquanto, entendi que temos estradas diferentes. Que sejamos felizes, de qualquer forma.

Até qualquer dia.

Shalom! 
Namastê!


Nenhum comentário:

Nossa Playlist