Pesquisar este blog

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

"Somos quem podemos ser. Sonhos que podemos ter."

Eu estava numa sala branca, alguns sofás dispostos harmonicamente com a estante de madeira de cor tabaco, cheia de livros dispostos. Era uma espécie de coquetel, mtas pessoas espalhadas pela mesma sala, geralmente com um copo na mão. Mas eu estava mesmo era fascinada pela estante. Queria chegar perto dela, varias pessoas me interrompiam, até q eu a alcancei. Mas alguém aparecia do meu lado e dizia q eu não podia tocar em nada.

Acordei. Não lembro bem se 1998 ou 1999. Eu estava mto envolvida com a vida - fazia teatro, estudava manutenção de computadores (na época, curso valiosíssimo) e programação na Unicarioca - mas principalmente envolvida com a tarefa de perseguir aquele q eu pensava ser minha alma gêmea. Me introduzindo à rede mundial, as coisas estavam mais fáceis, e lembro de, num desses dias em q matei aula no laboratório de informática, ao buscar sobre o ser amado, li a palavra q nunca mais sairia da minha cabeça.

Kabbalah.

Pouquíssimo dava prá saber sobre isso; pq os dados na internet eram ainda limitados, pq meu inglês ainda era meia-boca. Só sabia q tinha a ver com Judaísmo, cultura q eu já admirava desde criança. Não sei se por isso, se pelo sentimento àquele q regia meus sonhos na época, eu enfiei na cabeça q queria aprender mais. Mas não conseguia. Larguei a faculdade, e sem internet em casa, era praticamente impossível saber mais sobre esse enigmático tema. A vida seguiu. Mas daí Madonna apareceu com a mesma filosofia, outros astros tbm citaram...

Eu já estava casada e com minha primeira filha bb ainda, qndo consegui comprar um livreto q se autointitulava "Introdução à Kabbalah", mas era mto cheio de símbolos e teorias, na verdade não aprendi nada. Na época eu tinha entre 21 e 23 anos, estava com sérios questionamentos sobre fé, religião, etc. Usava uma estrela de Davi num cordão e reneguei o cristianismo. Simples assim. Até eu realmente precisar voltar atrás... Mas nunca mais ouvi falar de Kabbalah.

Anos depois, já em 2011, cansada do peso das responsabilidades e das dores físicas, me joguei no chão e me pus a implorar a D'us q ressuscitasse minha vida. Era Páscoa. Vcs devem lembrar. Em algumas horas minha vida já tinha virado prá outro angulo e eu achei q tudo ia enfim, andar prá frente.

O Amor me pegou sem q eu procurasse ou esperasse. Coincidências q só fortaleceram meu sentimento. Pensamentos e ideais de vida semelhantes. As crenças viraram tópico. A sensibilidade, os estudos esotéricos, o interesse pela cultura judaica compartilhados. A Kabbalah se fez presente nas conversas, e cada dia mais. Descobri váááários sites falando sobre essa filosofia em português e li com uma compreensão mto maior os q são em inglês. Descobri o Kabbalah Centre, de onde ganhei "O Poder da Kabbalah" q devorei em poucos dias, mesmo lendo outro livro em paralelo. Nesse livro, a Kabbalah é exposta de forma prática, simples - até pq a simplicidade é uma das lições inclusas. Era como se eu já soubesse de tudo q estava escrito ali, bem lá no coração, mas não sabia ainda pôr prá fora. Estou mudando. E nessa felicidade, fui presenciar um evento no Kabbalah Centre: a leitura do Torah da manhã do Shabat.

Plenitude, alegria, e sempre sensação de déjà vu. Sim, eu já estivera ali antes. As pessoas me receberam mto bem, mas eu já me sentia em casa antes de chegar. Qndo tudo acabou, desci e fui enfrentar a fila do banheiro na recepção de paredes brancas e sua estante cor de tabaco, cheia de livros. Curiosa, me aproximei da estante sem q ninguém me impedisse. Observei os livros, sempre com a sensação de q não podia tocá-los. Até q uma senhora tbm se aproximou e pegou um dos livros prá folhear. Sim, eu podia tocar! Dessa vez, eu podia!

Ainda fui caminhar na praia e as ondas nunca pareceram mais divertidas, o céu mais azul, o mar mais lindo, a água mais gostosa. Ainda sentei um pouco e meditei. Enfim, eu estava conectada com o Universo. Eu me sentia conectada com a Luz! EU ESTOU NO MEU CAMINHO. O sonho foi bem claro e a vida tbm: não era prá eu conhecer a Kabbalah antes. Com tudo q vivi até hj, consegui abertura suficiente para poder pôr em prática essa filosofia... E eu já sinto q as bençãos estão chegando... Eu sei q estão a caminho!

Voltei a caminhar pela orla de Ipanema nesse sentimento de plenitude até chegar onde Olhos Mediterrâneos trabalha. Ou trabalhava, não sei mais. Desse ponto se desenrola outra estória, q talvez eu conte um outro dia...

Resumindo: foi um dia para D'us me Mostrar na prática q nada nessa vida é por acaso...

Obgda, Pai!

Ia'Orana!

Nenhum comentário:

Nossa Playlist