Pesquisar este blog

terça-feira, 4 de junho de 2013

"As quadras dele (II)" - Florbela Espanca

"Digo pra mim quando oiço 
O teu lindo riso franco, 
"São seus lábios espalhando, 
As folhas dun lírio branco..." (...)

Meu coração, inundado 
Pela luz do teu olhar, 
Dorme quieto como um lírio, 
Banhado pelo luar. (...)

Eu sei que me tens amor, 
Bem o leio no teu olhar, 
O amor quando é sentido 
Não se pode disfarçar. 

Os olhos são indiscretos; 
Revelam tudo que sentem, 
Podem mentir os teus lábios, 
Os olhos, esses, não mentem. (...)

Não há amor neste mundo 
Como o que eu sinto por ti, 
Que me ofertou a desgraça 
No momento em que te vi. (...)

Enquanto eu longe de ti 
Ando, perdida de zelos, 
Afogam-se outros olhares 
Nas ondas dos teus cabelos. (...)

Quando o teu olhar infindo 
Poisa no meu, quase a medo, 
Temo que alguém adivinhe 
O nosso casto segredo. 

Logo minh'alma descansa; 
Por saber que nunca alguém 
Pode imaginar o fogo 
Que o teu frio olhar contém. 

Quem na vida tem amores 
Não pode viver contente, 
É sempre triste o olhar 
Daquele que muito sente. 

Adivinhar o mistério 
Da tua alma quem me dera! 
Tens nos olhos o outono, 
Nos lábios a primavera... 

Enquanto teus lábios cantam 
Canções feitas de luar, 
Soluça cheio de mágoa 
O teu misterioso olhar... 

Com tanta contradição, 
O que é que a tua alma sente? 
És alegre como a aurora, 
E triste como um poente... 

Desabafa no meu peito 
Essa amargura tão louca, 
Que é tortura nos teus olhos 
E riso na tua boca! (...)

O lindo azul do céu 
E a amargura infinita 
Casaram. Deles nasceu 
A tua boca bendita!"

Florbela Espanca foi uma poetisa nascida em Portugal, no dia 8 de dezembro de 1894. A sua vida, de apenas trinta e seis anos, foi plena, embora tumultuosa, inquieta e cheia de sofrimentos íntimos que a autora soube transformar em poesia da mais alta qualidade, carregada de erotização, feminilidade e panteísmo. (fonte: Wikipedia)

Nenhum comentário:

Nossa Playlist